Resumo

A contratualização é um processo pelo qual as partes, o gestor municipal/estadual do SUS e representante legal do hospital, estabelecem metas quantitativas e qualitativas de atenção à saúde e de gestão hospitalar, formalizadas por meio de um instrumento contratual. Este instrumento é composto por duas partes: pelo contrato propriamente dito e pelo documento com a descrição das metas qualitativas e quantitativas, que serão acompanhados e avaliados por uma Comissão de Acompanhamento constituída pelo gestor, na qual participam representantes do órgão contratante, do hospital contratualizado, dos usuários e outros.

A experiência de contratualização com os hospitais, no SUS, iniciou-se em 2004, com o programa de reestruturação dos hospitais de ensino e dos hospitais filantrópicos. Com o intuito de fortalecer as áreas de regulação nas Secretarias Estaduais de Saúde (SES) de todo o país e aprimorar a contratualização junto à hospitais públicos, foi iniciado o projeto “Fortalecimento das Áreas de Regulação e Apoio à Contratualização nas Secretarias Estaduais de Saúde”. 

 


Introdução

Diante desse cenário, o projeto, conduzido pelo Hospital Sírio-Libanês, com o apoio do Ministério da Saúde (MS) e do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS), tem como objetivo prestar apoio técnico e metodológico para contribuir com o fortalecimento da área de regulação, aprimorando o processo de contratualização dos hospitais, nas Secretarias Estaduais de Saúde (SES) e prevê a implementação de melhorias na construção, monitoramento e avaliação dos contratos, visando maior eficiência e efetividade contratual destes nas Redes de Atenção à Saúde. 

Outro objeto deste projeto é a atualização e modernização dos instrumentos e orientações para contratualização de hospitais próprios no âmbito das SES, tendo como meta trabalhar uma nova proposta de contrato e processo, para aplicação em até dois hospitais próprios, passando pelo alinhamento conceitual das equipes, implantação, monitoramento e avaliação. 

Para tanto, a iniciativa prevê um trabalho integrado entre as diretrizes do Ministério da Saúde e do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS), com as necessidades das Secretarias Estaduais. 

Embora o projeto siga o rito dos projetos que integram o PROADI-SUS, a origem de seus recursos está em uma contrapartida de captação realizada pelo Sírio-Libanês junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, o BNDES.

Justificativa e relevância do projeto para o SUS

A iniciativa dedica-se à reestruturação da área de Regulação nas Secretarias Estaduais de Saúde e aprimoramento de suas estratégias, ferramentas e instrumentos de contratualização com os hospitais estaduais próprios, dentro da administração direta ou com outra forma de gerência não direta, de maneira que se mantenham articulados com as necessidades e possibilidades locais, em conformidade com as diretrizes do Ministério da Saúde em relação às RAS, Redes Temáticas prioritárias, Política Nacional de Atenção Hospitalar (PNHOSP) e a Política Nacional de Regulação (conforme Portaria de Consolidação nº 2/2017). 

Dentre os benefícios ao SUS, destacam-se: 

  • O apoio ao processo de aprimoramento da Regulação da Atenção à Saúde, com discussão de seu posicionamento e responsabilidades dentro da estrutura de gestão estadual, respeitando as especificidades, cultura e decisões políticas de cada unidade federativa, de forma que possa ajudar no aprimoramento destas estruturas; 
  • Aprimoramento dos processos e instrumentos de contratualização interna nas secretarias estaduais, de forma a contribuir com o a qualidade da elaboração, execução e monitoramento deste processo; 
  • Alinhamento de conceitos com os profissionais de saúde envolvidos no contexto do projeto de forma a ampliar o olhar e transformá-los em partícipes; 
  • Melhorar o resultado assistencial dos serviços contratualizados, através do acompanhamento dos indicadores, feedback periódico às secretarias e hospitais beneficiados pela iniciativa e elaboração, em conjunto com as equipes beneficiadas, de planos de ação para definir responsáveis, ações e prazos, de forma que os possíveis problemas identificados possam ser corrigidos.
  •  


    Métodos

    Este projeto contempla três fases, sendo elas apresentadas a seguir:

    FASE 1 – Preparação

    A fase 1 relaciona-se ao planejamento do projeto, onde o ponto central é a realização de oficinas virtuais ao longo de 4 (quatro) meses para alinhamento conceitual com os especialistas do HSL, MS e CONASS, tendo a participação de atores que tenham experiências exitosas, nacionais e internacionais (se possível), visando a definição de premissas para construção dos modelos de referência para a área de Regulação e do processo e instrumento de contratualização, com vistas a prover as equipes com as informações mais atuais para desenvolvimento do projeto e construção de documentos técnicos que abordem a estruturação da regulação nas Secretarias Estaduais de Saúde e o processo de contratualização. 

    Nesta fase o projeto deverá ser apresentado aos Secretários Estaduais de Saúde, com assinatura do instrumento de adesão e compromisso por parte daqueles que confirmarem a participação. 

    FASE 2 – Operacionalização

    Na fase 2, será realizado o diagnóstico situacional da área de Regulação de cada Secretaria Estadual de Saúde. Os especialistas atuarão de forma matricial em todo o processo de construção e execução das fases do projeto, respeitando as peculiaridades e singularidades das secretarias estaduais.

    Para esta fase, estão previstas visitas in loco e, para isso, será avaliada a situação local da pandemia de COVID-19. Caso a situação na região onde será realizado o projeto esteja crítica, as visitas presenciais serão substituídas por reuniões virtuais. Considerando que a fase de Operacionalização respeitará as necessidades e características de cada região, poderá haver ajustes no cronograma e na previsão de viagens, desde que alinhados com o grupo executivo do projeto. Após o diagnóstico serão elaborados os planos de ação para implementação das melhorias e apoio à implantação do modelo de contratualização pré-definido, por meio de capacitação e tutoria para as equipes dos hospitais, além de apoio à implementação dos planos de ação do aprimoramento das áreas de Regulação Estadual, respeitando os processos locais. 

    FASE 3 – Institucionalização

    Na fase 3 está previsto o apoio à institucionalização do projeto pelas Secretarias Estaduais de Saúde, expandindo sua atuação para a contratualização das demais unidades de saúde próprias. Além disso, essa fase prevê a execução dos contratos construídos na fase 2 e estes contratos serão objeto de monitoramento durante o ano de 2023. Será realizada, nos últimos meses de 2023, a avaliação final do projeto. Considerando que a fase de Institucionalização respeitará as necessidades e características de cada região, poderá haver ajustes no cronograma e previsão de viagens, desde que alinhados com o grupo executivo do projeto.


    Equipe

    • Hospital Sírio-Libanês

      Liderança

      .


      Equipe

      .


      Colaboração

      .


      Área Técnica

      .


    Indicadores

    318
    Quantidade de profissionais
    envolvidos em atividades de gestão

    Conheça outros Projetos_