Fortalecimento da política nacional de atenção básica através da qualificação dos programas de Residência Médica
Hospital Moinhos de Vento

Fortalecimento da política nacional de atenção básica através da qualificação dos programas de Residência Médica
Apoio Residências MFC
2018-2020

Fortalecimento da política nacional de atenção básica através da qualificação dos programas de Residência Médica
Resumo
A residência médica é o padrão ouro para a formação de médicos especialistas, além de ter papel importante na fixação do profissional na cidade onde se capacitou.

A Atenção Primária à Saúde (APS) no Brasil tem como principal estratégia a organização de um modelo de Saúde da Família. O país hoje possui aproximadamente 44.000 equipes de Estratégia Saúde da Família (ESF). O ideal seria que todas essas equipes de saúde da família contassem com um Médico de Família e Comunidade, porém o Brasil só dispõe de aproximadamente 5.500 especialistas em Medicina de Família e Comunidade (MFC), o que evidencia um déficit de profissionais para APS no SUS.

O projeto tem como objetivo mapear a situação dos Programas de Residência de Medicina de Família e Comunidade (PRMFC) no país e, a partir deste diagnóstico inicial, apresentar soluções de apoio institucional com o intuito de qualificar os PRMFC refletindo na APS ofertada à população brasileira.

É dividido em duas etapas: a primeira refere-se ao diagnóstico dos atuais programas de residência médica de MFC, e a segunda consiste no desenvolvimento de um Plano de Apoio para qualificar os programas existentes.

O mapeamento das residências, o diagnóstico das dificuldades em relação à ocupação das vagas, a avaliação das necessidades de novos programas e a qualificação daqueles já existentes serão realizados por meio de uma metodologia mista, caracterizada pelo uso de informações quantitativas e qualitativas.

O Plano de Apoio aos PRMFC será desenvolvido a partir das informações coletadas no diagnóstico, elencando as dificuldades e necessidades. O apoio pedagógico será prestado pela equipe responsável pelo desenvolvimento projeto no HMV e, se necessário, por consultores especialistas.

O projeto está em execução, em atividades de planejamento. Espera-se que a formação de preceptores qualifique os programas de residência em MFC, promova a ocupação das vagas dos programas de residência já ofertados atualmente e possibilite a ampliação de vagas e de programas de residência para essa especialidade tão importante para o fortalecimento da APS do país.



Introdução
A residência médica  é o padrão ouro para a formação de médicos especialistas, além de ter papel importante na fixação do profissional na cidade onde se capacitou. A cada ano, mais e mais programas de residência em Medicina de Família e Comunidade (MFC) são abertos em todo o Brasil, buscando responder às necessidades do Sistema Único de Saúde (SUS). Entretanto, junto com a expansão das vagas, observamos que as mesmas são preenchidas em menos de 50% dos casos.

A Atenção Primária à Saúde (APS) no Brasil tem como principal estratégia a organização de um modelo de Saúde da Família. O país hoje possui aproximadamente 44.000 equipes de Estratégia Saúde da Família (ESF), que são responsáveis pela maior parte da cobertura da APS do Brasil.
 
O ideal seria que todas as equipes de saúde da família contassem com um profissional médico especializado em APS, que, no caso, é o que tem residência em Medicina de Família e Comunidade (MFC). Porém, o Brasil dispõe de aproximadamente 5.500 especialistas em MFC, o que evidencia um déficit de profissionais MFC para sustentação e qualificação da APS do SUS, refletindo em dificuldades e problemas na assistência ao usuário do Sistema.

Diante desse contexto, o presente projeto tem como objetivo mapear a situação dos Programas de Residência de Medicina de Família e Comunidade (PRMFC) no país e, a partir deste diagnóstico inicial, apresentar soluções de apoio institucional, através do desenvolvimento de um Plano de Apoio aos PRMFC. Tudo com o intuito de qualificá-los e com meta de promover a formação e a alocação de recursos humanos em regiões prioritárias do SUS, refletindo na APS ofertada à população brasileira.



Métodos
O projeto se divide duas etapas: a primeira refere-se ao diagnóstico dos atuais programas de residência médica de MFC, e a segunda consiste no desenvolvimento de um Plano de Apoio para qualificar os programas existentes.

O  diagnóstico será realizado por meio de uma metodologia mista, caracterizada pelo uso de informações quantitativas e qualitativas. Os dados quantitativos serão adquiridos por meio de análise de banco de dados secundários e de questionários construídos especificamente para o projeto, que serão aplicados remotamente e presencialmente. Os dados qualitativos serão adquiridos por meio de pesquisa documental e grupos focais, com gestores municipais, gestores de programas de residência médica, preceptores e residentes.

Também será aplicado um questionário em todos os supervisores de PRMFC credenciados na CNRM, assim como nos gestores municipais da cidades nas quais os PRMFC funcionam. Em outra etapa será realizada a avaliação dos PRMFC pelos residentes de MFC e  pelos ex-residentes que finalizaram a residências em 2017 e 2018. Essa avaliação por três ângulos diferentes proporcionará um panorama bastante amplo de diagnósticos dos programas e informações valiosas para o desenvolvimento do Plano de Apoio. Dois programas de cada região do país serão avaliados presencialmente pela equipe do projeto, totalizando 10 visitas exploratórias.

O Plano de Apoio aos PRMFC será desenvolvido a partir das informações coletadas no diagnóstico, elencando as dificuldades e necessidades. O apoio pedagógico será prestado pela equipe responsável pelo desenvolvimento projeto no HMV e, se necessário, por consultores especialistas. Para auxiliar na elaboração do Plano de Apoio será realizado ainda um seminário nacional para discutir os resultados do diagnóstico e apontar soluções e propostas para a qualificação dos PRMFC.


Resultados
O projeto está em execução, em atividades de construção dos intrumentos de pesquisa.

Será desenvolvido um documento com a análise das informações coletadas, seguido da descrição das propostas para qualificação e fortalecimento dos PRMFC. Ao final do processo, será apresentado um Plano de Ação para apoiar e qualificar as residências médicas de MFC.

Considerando que o processo de formação dos profissionais para atuação na APS passa pelo fortalecimento das políticas de formação de recursos humanos da saúde qualificados, a formação de mais MFC trará, no seu escopo,  a maior valorização dos trabalhadores da APS e a qualificação da assistência da população nesse nível de atenção.


Liderança
Ana Paula Tussi leite - Hospital Moinhos de Vento, Porto Alegre –Lattes



Equipe
Maria Eugênia Bresolin Pinto – Hospital Moinhos de Vento, Porto Alegre –Lattes 
Elvira Alicia Aparicio Cordero - Hospital Moinhos de Vento, Porto Alegre - Lattes
Scheila Mai - Hospital Moinhos de Vento, Porto Alegre - Lattes
Alice Paul Waquil - Hospital Moinhos de Vento, Porto Alegre - Lattes
Vitória Silva da Rosa - Hospital Moinhos de Vento, Porto Alegre - Lattes


Colaboração
Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, Rio de Janeiro, RJ
Comissão Nacional de Residência Médica do Ministério da Educação, Brasília, DF


Área Técnica
Secretaria de Atenção Primária da Saúde (SAPS)


INDICADORES

CONHEÇA OUTROS PROJETOS
Processando