Carvedilol na prevenção da cardiotoxicidade associada a antraciclinas
Hospital Sírio-Libanês

Carvedilol na prevenção da cardiotoxicidade associada a antraciclinas
Carvedilol
2018-2020

Hospital Sírio-Libanês
Resumo

As antraciclinas fazem parte do regime quimioterápico de diversos tipos de tumores e estão associadas a aumento de expectativa de vida nestes pacientes. Por outro lado, esses medicamentos são comumente associados ao surgimento de danos ao coração, conhecidos como insuficiência cardíaca (IC). A  IC, por sua vez, está associada ao aumento de mortalidade nesses pacientes.

Objetivando reduzir o número de casos de IC relacionada ao uso de antraciclinas, este projeto avalia o efeito do carvedilol neste cenário. A IC cardíaca nesta população é definida como valores de fração de ejeção do ventrículo esquerda (medido pelo ecocardiograma) menores que 50%.

O carvedilol é um medicamento da classe dos betabloqueadores já classicamente utilizados na IC. Tem o efeito de diminuir os batimentos cardíacos e de proteger o coração.

Para testar o benefício do carvedilol desenhou-se um estudo com 1018 pacientes em que metade dos pacientes recebe carvedilol (grupo intervenção) e a outra metade do estudo recebe placebo (grupo controle). Os pacientes tomam essas medicações durante toda a quimioterapia e fazem exames seriados ao longo do primeiro ano. Os exames realizados são: biomarcadores cardíacos (NT pro BNP e troponina), eletrocardiograma, ecocardiograma transtorácico e, em alguns pacientes, ressonância magnética do coração. O ecocardiograma transtorácico utilizará, além das técnicas rotineiramente realizadas, uma medida nova de avaliação da deformação miocárdica (forma da contração do músculo do coração) chamada de Speckle Tracking. Esta técnica fornece uma medida conhecida como Global Longitudinal Strain (GLS). A variação de mais de 15% nos valores do GLS estão relacionados com o desenvolvimento de IC nos pacientes que recebem antraciclinas.

Os pacientes também são avaliados quanto a sua qualidade de vida, sendo aplicado um questionário chamado de EuroQOL five-dimension questionnaire (EQ5-D).

Os critérios de inclusão são: Pacientes com diagnóstico primário de câncer de mama, leucemias, linfoma Hodgkin e linfoma não Hodgkin, leucemias, sarcomas e ovário com indicação de tratamento quimioterápico com antraciclina que possam ter a função ventricular avaliada. São excluídos do estudo pacientes que já tenham alguma doença do coração já conhecida como IC, infarto do miocárdio, doenças valvares, cardiopatias congênitas, e outras doenças graves como falência hepática ou renal. Pacientes muito debilitados (avaliados pela escala de performance status) ou com proposta de tratamento paliativo também são excluídos.

O estudo é realizado em vários hospitais do Brasil, ao mesmo tempo, em diferentes regiões.

O resultado que se espera com este estudo é a redução da incidência de IC em um ano após o início da quimioterapia.

Introdução

A incidência do câncer no Brasil ainda é elevada, estima-se 634.880 casos novos de câncer no Brasil em 2018. As neoplasias são as principais causas de óbito geral na população brasileira, foram responsáveis por aproximadamente 211.343 (16%) óbitos no ano de 2016, seguidas das doenças cardiovasculares com aproximadamente 165.773 (12,6%) óbitos no mesmo ano. Dentre as doenças cardíacas, destaca-se a insuficiência cardíaca (IC) com altos índices de mortalidade a despeito dos avanços no tratamento farmacológico. Aproximadamente 80% dos homens e 70% das mulheres com menos de 65 anos morrem dentro de oito anos do diagnóstico de IC.

Apesar da elevada taxa de mortalidade das neoplasias, felizmente, o tratamento do câncer teve avanço substancial nas últimas décadas, com inúmeros medicamentos que mudaram o prognóstico desses pacientes.  Nesse cenário, hoje é grande o número de pacientes que conseguem obter a cura da doença ou mantê-la sob controle, de forma que as toxicidades (efeitos colaterais) relacionadas ao tratamento do câncer passam a ter papel fundamental na qualidade de vida, morbidade e mortalidade desses pacientes. O coração é muitas vezes afetado negativamente com a tratamento do câncer, fazendo que muitos pacientes deixem de receber o tratamento ideal, ou tenham eventos cardiovasculares que reduzem a expectativa de vida.

A manifestação mais típica da cardiotoxicidade relacionada ao uso de antraciclinas é a IC. As antraciclinas fazem parte do regime quimioterápico em vários tipos de câncer. Por outro lado, esses medicamentos são comumente associados ao desenvolvimento de IC. O carvedilol é um medicamento da classe dos betabloqueadores já classicamente utilizados na IC. Tem o efeito de diminuir os batimentos cardíacos e de proteger o coração.

O presente estudo tem com objetivo principal estabelecer a eficácia do carvedilol para a prevenção primária da IC em pacientes com câncer submetidos à quimioterapia com antraciclinas.

Métodos

O estudo  é um ensaio clínico prospectivo, intervencionista, duplo-cego, randomizado, multicêntrico, envolvendo um número de 1018 pacientes em que metade dos pacientes recebe carvedilol (grupo intervenção) e a outra metade do estudo recebe placebo (grupo controle).

Os pacientes tomam essas medicações durante toda a quimioterapia e fazem exames seriados ao longo do primeiro ano. Os exames realizados são: biomarcadores cardíacos (NT pro BNP e troponina), eletrocardiograma, ecocardiograma transtorácico e, em alguns pacientes, ressonância magnética do coração. O ecocardiograma transtorácico utilizará, além das técnicas rotineiramente realizadas, uma medida nova de avaliação da deformação miocárdica (forma da contração do músculo do coração) chamada de Speckle Tracking. Esta técnica fornece uma medida conhecida como Global Longitudinal Strain (GLS). A variação de mais de 15% nos valores do GLS está relacionada com o desenvolvimento de IC nos pacientes que recebem antraciclinas. Esses exames são realizados antes do início da quimioterapia e a cada três meses no primeiro ano do tratamento.

Os pacientes também são avaliados quanto a sua qualidade de vida, sendo aplicado um questionário chamado de EuroQOL five-dimension questionnaire (EQ5-D) antes do início da quimioterapia, após 6 e 12 meses do início da quimioterapia.

Os pacientes coletam exames de sangue para criação de um Biobanco para avaliação de predisposição genética à ocorrência de IC.

Os critérios de inclusão são: Pacientes com diagnóstico de câncer com indicação de tratamento quimioterápico com antraciclina e idade acima de 18 anos. São excluídos do estudo pacientes que já tenham alguma doença do coração já conhecida como IC, infarto do miocárdio, doenças valvares, cardiopatias congênitas, e outras doenças graves como falência hepática ou renal. Pacientes muito debilitados (avaliados pela performance status) ou com proposta de tratamento paliativo também são excluídos.

Resultados

O projeto está em fase de credenciamento dos Centros de Pesquisa e não há paciente recrutado ainda.



Liderança

Vania Bezerra - Superintendente de Responsabilidade Social

Roberto Kalil Filho - Patrocinador
http://lattes.cnpq.br/6467642683520838

Luiz Fernando Lima Reis - Patrocinador
http://lattes.cnpq.br/8296739883987900

Marília Harumi Higuchi dos Santos - Pesquisadora Responsável
http://lattes.cnpq.br/5242363904055286

Isabela Bispo Santos da Silva Costa
http://lattes.cnpq.br/7483728134341285

Franca Pellison Baldassare - Gerente do Projeto
http://lattes.cnpq.br/7849027734783832



Equipe

Equipe Técnica:

Isabela Bispo Santos da Silva Costa - http://lattes.cnpq.br/7483728134341285

Flávia Regina Bueno - http://lattes.cnpq.br/2270896682146645 

Ana Cecília Alcântara Silva - http://lattes.cnpq.br/2076638555393017 

Alice Lopes Santos - http://lattes.cnpq.br/9519414094511063 

Maria Vitoria Aparecida Oliveira Silva - http://lattes.cnpq.br/7852240068530352

 



Colaboração
Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (ICESP)
 

Hospital do Câncer de Barretos

Hospital de Base de Brasília

Hospital Santa Casa de Feira de Santana

Instituto do Câncer do Rio de janeiro (INCA)

Fundação de Beneficência Hospital de Cirurgia

Hospital Universitário Prof. Polydoro Ernani de São Thiago

Hospital Erasto Gaertner - Liga de Combate ao Câncer

Pronto Socorro Cardiológico de Pernambuco PROCAPE

Universidade Federal de Pernambuco

Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto USP

Instituto do Coração INCOR HCFMUSP

Hospital Universitário de Brasília

Universidade Federal da Paraíba

Hospital Universitário da Universidade Estadual de Maringá

Instituto do Câncer de Londrina

Hospital Universitário Prof. Dr. Horácio Carlos Panepucci


Área Técnica
Ministério da Saúde
Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos (SCTIE)


INDICADORES

CONHEÇA OUTROS PROJETOS
Processando