Importância dos saneantes e do ambiente hospitalar para transmissão de Bactérias Multirresistentes – Programa IMPACTO MR”
Hospital Israelita Albert Einstein

Importância dos saneantes e do ambiente hospitalar para transmissão de Bactérias Multirresistentes – Programa IMPACTO MR”
Impacto MR Saneantes
2018-2020

Hospital Israelita Albert Einstein
Resumo

O ambiente é apontado como importante reservatório de microrganismos, especialmente os multirresistentes (MR) que, muitas vezes sobrevivem por tempo prolongado nas superfícies (grades de cama, painéis de ventilador mecânico, maçanetas das portas, teclados de computadores), principalmente, se neste ambiente, houver matéria orgânica que favorece a proliferação de microrganismos. Especialistas da ANVISA e experts que trabalham em Prevenção e Controle de Infecção ainda percebem a necessidade de entender o impacto do ambiente sobre as Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS) inclusive no que concerne ao uso de saneantes.

O ambiente assistencial têm se mostrado um importante reservatório de microrganismos como bactérias (por exemplo: S.aureus oxacilino resistente - SAOR, Enterococcus spp resistente à vancomicina - ERV, Clostridium difficile, Acinetobacter baumannii, e outros) além de alguns vírus e fungos porém, a presença destes agentes em objetos ou superfícies não é suficiente para a transmissão da infecção sendo provavelmente necessário, o contato direto do paciente com a superfície e/ou também o contato por meio das mãos dos profissionais de saúde.

Este projeto vai acontecer em três etapas sendo a primeira uma revisão sistemática da literatura sobre os principais aspectos da sobrevivência dos microrganismos no ambiente e potencial transmissibilidade. A segunda e terceira etapas pretendem abordar e compreender a respeito da estrutura básica dos serviços de Higiene e Limpeza dos hospitais que já participam do Projeto Impacto MR, avaliar as práticas de higiene e limpeza ambiental "in loco" nas 50 UTIs cadastradas no Projeto Impacto MR e por fim, caracterizar biofilmes bacterianos em diferentes  ambientes/superfícies de UTI (40 amostras de cada UTI) e a eventual contaminação de saneantes comumente utilizados na rotina de higienização o de ambientes.

O objetivo do projeto é oferecer respostas técnicas a questionamentos de interesse público apresentados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), relacionadas à higiene ambiental e uso de saneantes no ambiente hospitalar, mapear as práticas de higiene ambiental e uso de saneantes, bem como conhecer o perfil de contaminação (biolfilmes) de ambientes e produtos utilizados na limpeza e desinfecção dos mesmos, nas UTIs brasileiras.



Introdução

O ambiente é apontado como importante reservatório de microrganismos, especialmente os multirresistentes (MR) que, muitas vezes sobrevivem por tempo prolongado nas superfícies (grades de cama, painéis de ventilador mecânico, maçanetas das portas, etc), principalmente, se neste ambiente, houver matéria orgânica que favorece a proliferação de microrganismos. Especialistas da ANVISA e experts que trabalham em Prevenção e Controle de Infecção ainda percebem a necessidade de entender o impacto do ambiente sobre as Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS) inclusive no que concerne ao uso de saneantes e o que fazer para evitar estes reservatórios de infecção.

Apesar do ambiente assistencial se mostrar um importante reservatório de microrganismos a presença destes agentes em objetos ou superfícies não é suficiente para a transmissão da infecção sendo provavelmente necessário, o contato direto do paciente com a superfície e/ou o contato por meio das mãos dos profissionais de saúde.

As áreas próximas ao paciente podem estar bastante envolvidas na manutenção e transmissão de microrganismos que são dependentes da movimentação do profissional entre áreas distintas (o ambiente de assistência/o cuidado a ser prestado e as áreas próximas ao paciente) e as tarefas executadas nessas áreas.

Além disto, os saneantes utilizados para a limpeza e desinfecção das superfícies, caso escolhidos, diluídos ou utilizados de forma inadequada podem impactar na manutenção dos microrganismos nas superfícies.

O objetivo do projeto é oferecer respostas técnicas a questionamentos de interesse público apresentados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), relacionadas à higiene ambiental e uso de saneantes no ambiente hospitalar, a partir da revisão da literatura científica, do mapeamento das práticas de higiene ambiental e uso de saneantes, bem com do perfil de contaminação (biolfilmes) de ambientes e produtos utilizados na limpeza e desinfecção dos mesmos, nas UTIs brasileiras.



Métodos
O projeto acontecerá em três etapas:
  • ETAPA I. REVISÃO SISTEMÁTICA SOBRE SANEANTES E AMBIENTE: com base em 7 (sete) questionamentos, de interesse público, consolidados pela ANVISA (Gerência de Produtos de Higiene Cosméticos, Perfumes e Saneantes - GHCOS) será realizada uma Revisão Sistemática da literatura utilizando metodologia consolidada (diretrizes internacionais para construção e publicação de revisões sistemáticas).
  • ETAPA II. CRIAÇÃO E APLICAÇÃO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO SOBRE PROCESSOS DE HIGIENE AMBIENTAL (incluindo saneantes): estudo transversal para caracterização (através de survey e posterior auditoria de processo) de práticas de higiene ambiental e uso de saneantes em 50 UTIs brasileiras previamente cadastrados e participantes do Projeto IMPACTO MR.
  • ETAPA III. CARACTERIZAÇÃO DA DENSIDADE E PERFIL MICROBIOLÓGICO DE BIOFILMES (BIOFILMES) EM DIFERENTES AMBIENTES/SUPERFÍCIES DE UTIS E DA CONTAMINAÇÃO DE AGENTES SANENATES COMUMENTE UTILIZADOS: com uso de técnicas de sequenciamento de DNA em larga escala associado à análise de bioinformática, mapas de biofilmes (considerando os principais tipos de bactérias e a densidade das mesmas) serão construídos para os principais ambientes de UTI, nos 50 hospitais da plataforma IMPACTO MR (40 amostras de cada UTI). Adicionalmente, amostras dos saneantes utilizados localmente serão testadas para detecção de eventual contaminação.


Resultados

Os resultados serão apresentados em eventos científicos e publicados em periódicos médicos. Conforme legislação PROADI vigente, a entrega dos resultados se dará primeiramente para a ANVISA e MS antes de publicação em congressos nacionais/internacionais ou publicação de artigos. Todos os artigos destacarão o patrocínio PROADI e a participação da ANVISA no projeto.

Relatórios semestrais de seguimento serão apresentados à ANVISA/MS, conforme previsto na atual legislação. Com a devida anuência da ANVISA, pretende-se organizar devolutiva para as UTIs participantes. Será elaborado, tanto na ETAPA II (mapeamento dos processos e práticas) quanto na ETAPA III (mapa de biofilmes e contaminação de saneantes), relatório informativo individual (por instituição) para que possa ser utilizado localmente, em processos internos de melhoria. Reuniões e apresentações periódicas dos resultados aos técnicos da ANVISA e do MS deverão ocorrer, ao longo de todo o processo, com periodicidade trimestral. Está prevista a realização de uma oficina nacional, com a rede de Hospitais Sentinela da ANVISA, para a apresentação dos resultados finais do presente projeto.

Material de divulgação dos resultados do estudo, com teor técnico, também será elaborado (sob a forma de Infográficos e/ou vídeo curto) para gestores e profissionais de saúde com divulgação em mídias sociais. Divulgação conjunta com os resultados do estudo principal também está prevista.

 A base de dados gerada estará disponível e será entregue ANVISA e Ministério da Saúde, ao final do estudo. A titularidade dos direitos patrimoniais advindos das pesquisas científicas, dos programas desenvolvidos, bem como dos resultados tecnológicos decorrentes dos recursos do projeto de apoio referentes ao Proadi-SUS será do Ministério da Saúde, respeitados os direitos morais do autor quando da finalização do projeto, nos termos da Lei nº9.610, de 19 de fevereiro de 1998. 



Liderança

Dr. Adriano José Pereira Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Lattes

 


Equipe
Cláudia Vallone Silva - Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP, Brasil - http://lattes.cnpq.br/8599893537253163
Renato Carneiro de Freitas Chaves - Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP, Brasil 
Amanda Malveira Guimarães - Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências da Saúde, Faculdade Israelita de Ciências da Saúde Albert Einstein, São Paulo, SP, Brasil - 
Erika Yumiko Kumoto - Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP, Brasil
Leonilda Giani Pontes - Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP, Brasil

Colaboração
Beatriz Bonadio Aoki - Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP
Dourival Sabino Gomes Filho - Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Linkedin
Fernanda Pahim Santos - Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Linkedin
Renato Tanjoni - Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Linkedin
Silvia Lefone Milan - Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Linkedin
Kauê Kamia de Menezes - Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Linkedin


Área Técnica
ANVISA/GHCOS

INDICADORES

CONHEÇA OUTROS PROJETOS
Processando