Estratégias para otimizar a assistência aos potenciais doadores
PROADI SUS

Estratégias para otimizar a assistência aos potenciais doadores
DONORS
2018-2020

Resumo
O transplante é um tratamento complexo, executado em última instância, quando há falência de um determinado órgão. Todo o processo começa com a captação do órgão a ser doado, que, na maioria das vezes, é proveniente de indivíduos com morte encefálica que devem ser mantidos clinicamente estáveis até que a retirada do(s) órgão(s) ocorra. Nesse processo, um outro ponto importante é a obtenção do consentimento familiar, mesmo que o doador tenha declarado sua intenção em vida.

O Brasil possui o maior sistema público de transplantes do mundo, responsável por gerenciar o destino dos órgãos doados para uma fila com mais de 30.000 pacientes que aguardam pelo procedimento. Entretanto, de todos os potenciais órgãos a serem doados, 43% não são autorizados pela família e outros 15% são desperdiçados pelo manejo inadequado do indivíduo com morte encefálica, que acaba progredindo para uma parada cardíaca antes da retirada do(s) órgão(s).

O projeto tem como objetivo otimizar a doação de órgãos no Brasil através de estratégias que possam contribuir com a redução das perdas de potenciais doadores por parada cardíaca ou recusa familiar para doação de órgãos.

Para tanto, o projeto realiza o DONORS, um estudo clínico em Unidades de Terapia Intensiva (UTI) de 63 hospitais brasileiros, que avalia a utilização de um checklist contendo as recomendações mais atuais para o cuidado clínico do potencial doador de órgãos e que pode contribuir com a redução das perdas por parada cardíaca. Os profissionais desses hospitais também são capacitados, através de cursos presenciais e de um curso à distância desenvolvido pelo projeto, para o adequado acolhimento e esclarecimento da família em cada etapa do processo de diagnóstico da morte encefálica e de doação de órgãos.

O DONORS iniciou em junho de 2017. Até dezembro de 2018, 63 hospitais, de 26 estados e Distrito Federal, participam do estudo. Cerca de 1.200 potenciais doadores já foram incluídos na avaliação do uso do checklist. A expectativa é encerrar a inclusão de potenciais doadores em 2019 e divulgar os resultados até o final de 2020.

Além da coleta de dados, de junho de 2017 a dezembro de 2018, mais de 350 profissionais foram capacitados através dos cursos presenciais e cerca de 1.600 profissionais realizaram o curso à distância. Esse último permanece disponível gratuitamente até dezembro de 2020 a qualquer interessado, mesmo que não faça parte do projeto.


Introdução
A doação de órgãos é a única opção para milhares de pacientes que necessitam desse tratamento para sobreviver. Para isso, dois pontos são fundamentais: a manutenção dos órgãos do potencial doador com morte encefálica e a autorização da família. Cerca de 80% dos órgãos doados para transplante são provenientes de pacientes com morte encefálica.
Boa parte do processo de doação depende da atuação dos profissionais de terapia intensiva, incluindo a identificação do potencial doador, seu manejo clínico e a entrevista familiar para a autorização. Isso torna evidente a necessidade de capacitação desses profissionais e a criação de ferramentas de apoio à manutenção do potencial doador e à entrevista familiar. Tais ações podem trazer melhoria contínua ao processo de doação de órgãos e contribuir para reduzir a desproporção entre oferta e demanda de órgãos para transplantes.

O Brasil possui o maior sistema público de transplantes do mundo, responsável por gerenciar o destino dos órgãos doados para uma fila com mais de 30.000 pacientes que aguardam pelo procedimento (Ministério da Saúde, 2018). Apesar do número de doações e transplantes terem aumentado nos últimos anos, o Brasil ocupa a 25ª posição em número de doadores efetivos em todo o mundo (Organização Mundial da Saúde, 2017).

Um dos principais desafios é que, de todos os potenciais doadores, cerca de 15% são perdidos durante o manejo do paciente com morte encefálica, que acaba evoluindo para uma parada cardíaca. E ainda, 43% das entrevistas para doação resultam em recusa familiar.

Nesse sentido, o projeto DONORS visa otimizar a doação de órgãos no Brasil através de estratégias que contribuam para reduzir as principais causas da sua não efetivação. Para isso, foi desenvolvida uma lista de medidas (checklist) para o manejo clínico dos pacientes com morte encefálica. O projeto também capacita profissionais da saúde para a comunicação com os familiares sobre a doação de órgãos.



Métodos
O projeto DONORS é um estudo clínico randomizado em cluster com a participação de 63 hospitais com média anual de dez ou mais notificações de morte encefálica.  O objetivo é avaliar se um checklist baseado nas evidências mais atuais para manejo clínico do potencial doador utilizado pelos profissionais da UTI reduz a perda dos mesmos por parada cardíaca. Além disso, o estudo também se propõe a avaliar se a utilização do checklist aumenta o número de doadores efetivos e o número de órgãos captados.

O checklist é composto por metas clínicas necessárias para a manutenção da estabilidade hemodinâmica do potencial doador e da integridade dos órgãos como, por exemplo, o controle da pressão arterial, da temperatura, de eletrólitos e o uso de parâmetros ventilatórios protetores. O checklist é aplicado periodicamente, desde a inclusão do potencial doador no estudo, até o momento da captação dos órgãos.

Os hospitais participantes são randomizados em dois grupos: a) hospitais que utilizam o checklist para guiar o manejo clínico do potencial doador e b) hospitais que realizam o manejo clínico da forma habitual sem o uso do checklist. Pelo menos 1.200 potenciais doadores serão incluídos no estudo. Os hospitais participantes são provenientes de todas as regiões brasileiras.

Como intervenção adicional ao estudo, ao menos um profissional da UTI ou da Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante (CIHDOTT) de todos os hospitais participantes recebem capacitação presencial em técnicas de comunicação em situações críticas. Um curso à distância sobre entrevista familiar para doação de órgãos, desenvolvido pelo projeto, também é disponibilizado para todos os profissionais que trabalham diretamente no contexto de doação de órgãos nos hospitais que integram o estudo.

Registro do protocolo do estudo no Clinicaltrials.gov (acesse aqui).

O protocolo detalhado do estudo está publicado no periódico BMJOpen (
acesse aqui).


Resultados
O projeto DONORS iniciou em junho de 2017. Até junho de 2019, 63 hospitais de 19 estados e Distrito Federal, participam do estudo. Cerca de 1.400 potenciais doadores já foram incluídos na avaliação do uso do checklist. A expectativa é encerrar a inclusão de participantes em dezembro de 2019 e divulgar os resultados do estudo ao final de 2020.

De junho de 2017 a junho de 2019, mais de 400 profissionais foram capacitados através do curso presencial de comunicação em situações críticas, nas seguintes edições:

- Edição 1 - Porto Alegre, em 10 de março de 2017 (132 profissionais).
- Edição 2 - São Paulo, em 9 junho de 2017 (22 profissionais).
- Edição 3 - Porto Alegre, em 23 de agosto de 2017 (52 profissionais).
- Edição 4 - Porto Alegre, em 30 de novembro de 2017 (95 profissionais).
- Edição 5 - Porto Alegre, em 1° de dezembro de 2017 (89 profissionais).
- Edição 6 - Porto Alegre, em 29 de março de 2019 (38 profissionais).

No mesmo período, cerca de 1.600 profissionais realizaram o curso a distância “Entrevista familiar para doação de órgãos”. O curso online está disponível gratuitamente até 2019 (acesse o curso aqui).


Liderança
Caroline Cabral Robinson - Hospital Moinhos de Vento, Porto Alegre – Lattes

Equipe

Adriane Isabel Rohden – Hospital Moinhos de Vento, Porto Alegre – Lattes
Bruna Gimenes – Hospital Moinhos de Vento, Porto Alegre – Lattes
Cátia Moreira Guterres – Hospital Moinhos de Vento, Porto Alegre – Lattes
Daiana Barbosa da Silva – Hospital Moinhos de Vento, Porto Alegre – Lattes
Itiana Cardoso Madalena – Hospital Moinhos de Vento, Porto Alegre – Lattes
Luiza Vitelo Andrighetto - Hospital Moinhos de Vento, Porto Alegre – Lattes
Maicon Falavigna - Hospital Moinhos de Vento, Porto Alegre – Lattes
Natalia Elis Giordani – Hospital Moinhos de Vento, Porto Alegre – Lattes
Gabriela Soares Rech – Hospital Moinhos de Vento, Porto Alegre - Lattes
Glauco Adrieno Westphal – Hospital Moinhos de Vento, Porto Alegre – Lattes
Sabrina Souza da Silva – Hospital Moinhos de Vento, Porto Alegre – Lattes
Regis Goulart Rosa – Hospital Moinhos de Vento, Porto Alegre – Lattes



Colaboração
Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos - ABTO
Associação de Medicina Intensiva Brasileira - AMIB
Brazilian Research in Intensive Care Network – BRICNet
Organização Nacional de Transplantes da Espanha – ONT

Hospitais participantes:
Associação Hospitalar São Vicente de Paulo, Passo Fundo, RS
Casa de Saúde de Santos, Santos, SP
Hospital Alberto Urquiza Wanderley, João Pessoa, PB
Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo, São Paulo, SP
Hospital Bom Jesus de Ponta Grossa, Ponta Grossa,PR
Hospital Bom Jesus de Toledo, Toledo, PR
Hospital Bruno Born, Lajeado, RS
Hospital Cristo Redentor, Porto Alegre, RS
Hospital da Restauração, Recife, PE
Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Ribeirão Preto, SP
Hospital das Clínicas das Minas Gerais, Belo Horizonte, MG
Hospital das Clínicas de Botucatu, Botucatu, SP
Hospital das Clínicas de Rio Branco, Rio Branco, AC
Hospital de Base de São José do Rio Preto, São José do Rio Preto, SP
Hospital de Base do Distrito Federal, Brasília, DF
Hospital de Clínicas de Porto Alegre, Porto Alegre, RS
Hospital de Ensino Doutor Washington Antônio de Barros, Petrolina, PE
Hospital de Pronto Socorro de Porto Alegre, Porto Alegre, RS
Hospital de Pronto Socorro Dr. João Lúcio Pereira Machado, Manaus, AM
Hospital de Pronto Socorro João Paulo II, Porto Velho, RO
Hospital de Pronto Socorro Nelson Marchezan, Canoas, RS
Hospital de Urgência de Sergipe, Aracaju, SE
Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco , Rio Branco, AC
Hospital de Urgências e Emergência de Goiânia, Goiânia, GO
Hospital Dr. Carlos Macieira, São Luís, MA
Hospital e Maternidade Angelina Caron, Campina Grande do Sul, PR
Hospital Estadual de Urgência e Emergência de Vitória, Vitória, ES
Hospital Estadual Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, RJ
Hospital Evangélico de Londrina, Londrina, PR
Hospital Geral Cleriston Andrade, Feira de Santana, BA
Hospital Geral de Fortaleza, Fortaleza, CE
Hospital Geral de Nova Iguaçu, Nova Iguaçu, RJ
Hospital Geral de Taipas, Taipas, SP
Hospital Geral Professor Osvaldo Brandão Vilela, Maceió, AL
Hospital Instituto Dr. José Frota, Fortaleza, CE
Hospital João XXIII Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG
Hospital Municipal de Foz do Iguaçu Padre Germano Lauck, Foz do Iguaçu, PR
Hospital Municipal Djalma Marques, São Luís, MA
Hospital Municipal Irmã Dulce, Praia Grande, SP
Hospital Norte Paranaense, Arapongas, PR
Hospital Nossa Senhora do Rocio de Campo Largo, Campo Largo, PR
Hospital Paulistano, São Paulo, SP
Hospital Regional do Cariri, Juazeiro do Norte, CE
Hospital Regional do Vale do Paraíba, Taubaté, SP
Hospital Regional Norte, Sobral, CE
Hospital Regional Tarcisio de Vasconcelos Maia, Mossoró, RN
Hospital Santa Rita de Maringá, Maringá, PR
Hospital São Paulo, São Paulo, SP
Hospital São Vicente de Paulo Guarapuava, Guarapuava, PR
Hospital Universitário Ciências Médicas, Belo Horizonte, MG
Hospital Universitário de Cascavel do Oeste do Paraná, Cascavel, PR
Hospital Universitário de Maringá, Maringá, PR
Hospital Universitário Regional do Norte do Paraná, Londrina, PR
Hospital Universitário Regional dos Campos Gerais Campos, Gerais, PR
Hospital Universitário São Francisco da Providência de Deus de Bragança Paulista, Bragança Paulista, SP
Hospital Universitário São Francisco de Paula, Pelotas, RS
Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, São Paulo, SP
Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, Porto Alegre, RS
Santa Casa de Misericórdia de Maringá, Maringá, PR
Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Sorocaba, Sorocaba, SP
Santa Casa de Belo Horizonte, Belo Horizonte, MG
Santa Casa de Campo Grande, Campo Grande, MS
Santa Casa de Misericórdia de Sobral, Sobral, CE


Área Técnica

Coordenação Geral do Sistema Nacional de Transplantes (CGSNT)
Departamento de Atenção Especializada e Temática (DAET)
Secretaria de Atenção à Saúde (SAS)



INDICADORES

503
Atendimentos
realizados
530
Profissionais
capacitados
345
Profissionais envolvidos
com pesquisa
6551
Profissionais envolvidos
com projetos de gestão
CONHEÇA OUTROS PROJETOS
Processando