Qualificação da assistência em terapia intensiva pediátrica por telemedicina
Hospital Moinhos de Vento

Qualificação da assistência em terapia intensiva pediátrica por telemedicina
TeleUTIP
2018-2020

Qualificação da assistência em terapia intensiva pediátrica por telemedicina
Resumo

A telemedicina consiste no exercício da medicina mediante a utilização de metodologias interativas de comunicação audiovisual e de dados, com o objetivo de assistência, educação e pesquisa em saúde. O uso dessa tecnologia como ferramenta para viabilizar oferta de serviços em saúde, bem como educação, treinamento e apoio clínico aos profissionais da saúde vem crescendo, sendo rotineiramente oferecida nos países desenvolvidos.
Apesar da evidência de que o tratamento especializado das Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) reduz a taxa de mortalidade, muitas unidades do Sistema Único de Saúde (SUS) carecem de médicos especialistas em terapia intensiva, assim como a equipe multidisciplinar. Além disso, muitas UTIs que contam com médicos intensivistas não dispõem de apoio para discussão de casos complexos nas mais diversas especialidades, como radiologia, cardiologia, endocrinologia, neurologia, entre outras. A importância de uma formação qualificada dos intensivistas que lideram as UTIs têm sido comprovada em estudos que apontam para melhores resultados como: redução no tempo de internação, redução de infecções associadas ao uso de dispositivos invasivos, redução de mortalidade, entre outros.
Assim, o objetivo deste projeto é utilizar a telemedicina, sob forma de tele-rounds multiprofissionais, para educação a distância, treinamentos e discussão de casos clínicos em UTIs remotas, visando a sistematização do atendimento, a qualificação do cuidado e a redução de riscos para os pacientes internados nas UTIs parceiras. O projeto também tem como resultado esperado a melhora nos indicadores clínicos-assistenciais das UTIs acompanhadas, como, por exemplo, redução da mortalidade, redução do tempo de internação e redução de infecção, assim como a redução da Síndrome de Burnout (estresse profissional).
As equipes multidisciplinares das UTIs do Hospital Moinhos de Vento (HMV) realizam rounds clínicos diários com as UTIs dos centros remotos por meio de equipamento de telemedicina que permite a avaliação remota de cada paciente em conjunto com a equipe médico-assistencial local. Além da discussão diária dos casos, a equipe do HMV disponibiliza consultoria de especialistas para tratar de casos complexos. Também são desenvolvidas atividades de educação continuada, através de videoaulas com temas específicos conforme a necessidade dos centros e discussão de casos complexos, com a participação de profissionais especialistas do HMV e disponibilização de literatura científica atualizada vinculados ao tema para debate. Além do desenvolvimento de cursos EADs específicos voltados para qualificação das equipes de terapia intensiva pediátrica.
O projeto iniciou suas atividades atuando exclusivamente em UTIs Pediátricas, mas ao longo do triênio, por demandas do Ministérios da Saúde, agregou novas unidades com perfil neonatal e adulto.



Introdução

As Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) desenvolveram-se pela comprovação de que o agrupamento dos pacientes graves em um setor específico do hospital era uma medida eficaz para redução da morbimortalidade. Apesar da evidência de que o tratamento especializado das UTIs reduz a mortalidade, muitas unidades no Brasil carecem de médicos especialistas, sendo assistidas por profissionais sem formação adequada. Entre as UTIs que contam com especialistas, muitas não dispõem de apoio para discussão de casos complexos.
A falta de especialistas é uma realidade em muitas UTIs do Brasil e os recursos humanos são fundamentais para melhorar o desempenho, seja em qualidade assistencial ou gerencial. Um recente levantamento realizado pelo Instituto Basileiro de Geografia e Estatística reafirma a má distribuição de leitos de UTIs, equipamentos médicos e equipes assistenciais (Agência IBGE, 2020). Em relação às UTIs Pediátricas, há relatos de unidades que dispunham de apenas 27% dos seus médicos com formação específica, e desses, apenas 17% possuíam o título de especialista. A importância da formação específica e qualificada dos intensivistas que lideram as UTIs têm sido comprovada em diversos estudos que apontam melhores resultados em indicadores assistenciais. 
O Brasil oferece oportunidades ímpares para o desenvolvimento da telemedicina na efetivação do direito à saúde universal, integral e equânime. Por ser um país de magnitude continental, tem milhares de locais isolados e de difícil acesso, ocasionando uma distribuição extremamente desigual de recursos médicos de boa qualidade. Os esforços dos governos estaduais e federal na implementação da telemedicina consubstanciam essa perspectiva.
Assim, o objetivo do projeto é usar a telemedicina, sob forma de tele-rounds multiprofissionais, para educação à distância, treinamentos e discussão de casos clínicos, visando sistematizar o atendimento,  qualificar o cuidado e reduzir os riscos para os pacientes internados nas UTIs remotas.



Métodos

Para a execução dos tele-rounds, uma sala de comando foi estruturada no Hospital Moinhos de Vento, de onde o médico e enfermeira intensivistas lideram os rounds a distância com as UTIs remotas. Nas UTIs remotas, um cart de telemedicina contendo sistema de áudio e câmera de alta definição, e um computador, é utilizado para a conexão nos tele-rounds e a avaliação dos pacientes internados.
Os
tele-rounds são realizados diariamente, de 2ª a 6ª feira, em horário previamente estabalecido entre ambas as equipes. 
Além da equipe diária, participam também, semanalmente, médicos radiologista e infectologista. Ainda, conforme demanda dos pacientes internados nas UTIs remotas, médicos especialistas do HMV, como cardiologista, neurologista, gastroenterologista, pneumologista e cirurgião, poderão participar dos tele-rounds apoiando discussões de casos clínicos, bem como equipe multidisciplinar, fisioterapia, nutricionista, psicóloga e assistente social. São oferecidas capacitações mensais a distância com tutoria especializada, a fim de contribuir na qualificação da equipe assistencial. 
Para mensurar o impacto do projeto, um estudo do tipo antes e depois foi conduzido para avaliar a melhora dos indicadores assistenciais com o uso da telemedicina nas UTIs Pediátricas participantes. Para isso, foram revisados os prontuários médicos de todas as crianças internadas nas UTIPs participantes no período pré (12 meses) e pós-implementação (18 meses) do serviço de telemedicina. Avaliamos ainda o impacto da telemedicina nos profissionais de saúde das UTIPs remotas sob duas óticas: I. Impacto educacional - pela avaliação do desempenho desses profissionais nos cursos à distância ofertados - e, II. Avaliação da Síndrome de Burnout - por meio de questionário específico.



Resultados

Em junho de 2018, por meio de edital aberto e critérios pré-definidos, foram escolhidas junto ao Ministério da Saúde, as duas UTIs Pediátricas participantes do projeto: Hospital Regional Norte (Sobral, CE) e Hospital Geral de Palmas (Palmas, TO). 
No ano de 2019, atendendo uma demanda do Ministério da Saúde, o projeto ampliou o atendimento para 4 (quatro) UTIs Pediátricas do Rio de Janeiro. 
Em 2020, também a partir de uma demanda do Ministério da Saúde, o projeto apoiou as ações Hotline e TeleUTI como estratégia ao enfrentamento da COVID-19, atendendo 8 (oito) UTIs adulto. A ação teve como objetivo prestar assistência por meio de rounds diários a pacientes adultos internados em UTIs  com Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), casos suspeitos e confirmados de COVID-19.
Também em 2020, o projeto foi ampliado para novas unidades, agregando 1 (uma) UTI Pediátrica e 2 (duas) UTIs Neonatais. 
Além dos benefícios associados à qualidade assistencial prestada aos pacientes de UTIs, o projeto promove a qualificação das equipes assistenciais através de treinamentos à distância, trazendo benefícios diretos de conhecimento e troca de experiências para os profissionais que atuam nas UTIs dos centros remotos participantes.



Liderança
Maria Cristina Cotta Matte – Hospital Moinhos de Vento, Porto Alegre – Lattes

Equipe

Alécio Ghizzoni – Hospital Moinhos de Vento, Porto Alegre
Aristoteles de Almeida Pires  – Hospital Moinhos de Vento, Porto Alegre – Lattes
Daniella Cunha Birriel - Hospital Moinhos de Vento, Porto Alegre - Lattes
Felipe Cezar Cabral – Hospital Moinhos de Vento, Porto Alegre - Lattes
Luciano Remião Guerra  – Hospital Moinhos de Vento, Porto Alegre – Lattes
Luciane Gomes da Cunha – Hospital Moinhos de Vento, Porto Alegre - Lattes
Marola Flores da Cunha Scheeren – Hospital Moinhos de Vento, Porto Alegre - Lattes
Tânia Maria Seferin Manfra - Hospital Moinhos de Vento, Porto Alegre
Vanessa Cristina Jacovas - Hospital Moinhos de Vento, Porto Alegre – Lattes



Colaboração

Instituto de Saúde e Gestão Hospitalar, Sobral, CE

Hospital Regional Norte, Sobral, CE, 

Secretaria Estadual de Saúde do Tocantins, Palmas, TO

Hospital Geral de Palmas Dr. Francisco Ayres, Palmas, TO

Hospital Martagão Gesteira, Salvador, BA

Instituto de Saúde Elpídio de Almeida, Campina Grande, PB

Hospital Doutor José Pedro Bezerra, Natal, RN

Hospital Federal de Bonsucesso, Rio de Janeiro, RJ

Hospital Federal Cardoso Fontes, Rio de Janeiro, RJ

Hospital Federal da Lagoa, Rio de Janeiro, RJ

Hospital Federal dos Servidores do Estado, Rio de Janeiro, RJ

Hospital de Clínicas de Passo Fundo, Passo Fundo, RS

Hospital Geral de Caxias do Sul, Caxias do Sul, RS

Hospital Santa Terezinha, Erechim, RS 

Hospital de Caridade e Beneficência de Cachoeira do Sul, Cachoeira do Sul, RS

Hospital Santa Casa de Caridade de Bagé, Bagé, RS

Hospital das Clínicas Dr. Mário Ribeiro Silveira, Montes Claros, MG

Hospital Regional do Baixo Amazonas do Pará, Santarém, PA

Ministério da Saúde, Brasília, DF



Área Técnica

Departamento de Saúde Digital (DESD)

Secretaria Executiva (SE)



INDICADORES

Telemedicina em UTI Pediátrica

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Projeto TeleUTIP reduz em 50% a mortalidade de UTIs pediátricas do SUS
10.09.2020
Projeto TeleUTIP reduz em 50% a mortalidade de UTIs pediátricas do SUS
O projeto Qualificação da Assistência em Terapia Intensiva Pediátr...
Hospitais membros do PROADI-SUS marcam presença no Fórum Estadão Think
05.11.2019
Hospitais membros do PROADI-SUS marcam presença no Fórum Estadão Think
O Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (PROADI-SUS) comemora, em 2019, 10...
CONHEÇA OUTROS PROJETOS
Processando