Voltar

NOTÍCIAS

28.04.2021 - Editado em 28.04.2021 - Compartilhar:
Projeto Big Data do PROADI-SUS entrega estudo que fomenta a transferência de tecnologia e inovação para o SUS

Com o objetivo de desenvolver soluções relevantes ao contexto de saúde brasileiro, o Hospital Israelita Albert Einstein desenvolve um projeto de Big Data e Inovação para o Ministério da Saúde dentro do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde – PROADI-SUS. Uma das ações deste projeto foi realizada com a participação de Hospitais Universitários das Universidades Federais do Maranhão e do Vale do São Francisco, o estudo “Ferramenta digital de apoio ao ACS para busca ativa de Doenças Negligenciadas”.

Este estudo teve o objetivo de transferir tecnologia do setor privado ao público, colaborando ao desenvolvimento dos profissionais de saúde, além de fomentar a inovação nas Universidades Federais, através do uso da metodologia Design Thinking.

“Essa metodologia contribui para a seleção de ideias a serem desenvolvidas durante o projeto. Ao todo, foram realizados nove workshops em parceria com Universidades Federais e Hospitais Universitários (UFMA, UNIVASF, UnB e UFMG), tendo como resultado a disseminação da metodologia para mais de 250 atores, entre estes alunos, professores, profissionais de saúde e tecnologia. Considerando perspectivas diversas e pontos de vista complementares, essa metodologia busca soluções que consideram os aspectos contraditórios do problema” explica Edson Amaro, coordenador do projeto Big Data e Inovação do Hospital Israelita Albert Einstein.

Por meio dessa iniciativa, o poder público, privado e a academia trabalham em convergência no sistema de inovação aberta, com o intuito de criar uma cultura de inovação ao sugerir parcerias entre as três frentes. Essa atitude é responsável por auxiliar e compartilhar conhecimento entre profissionais, pesquisadores e professores da área da saúde e tecnologia na criação de estratégias, metodologias e ferramentas para problemas complexos.

As universidades participantes do estudo foram escolhidas após uma pesquisa interna apresentada ao Departamento de Monitoramento e Avaliação do SUS (DEMAS), que validou e selecionou quais instituições estavam mais aptas a participar do projeto.

Fora o protótipo de Doenças Negligenciadas, outras duas soluções foram desenvolvidas pelo Núcleo de Inovação: o Modelo de Capacitação Gamificada em Segurança do Paciente para Equipe Multiprofissional no âmbito Hospitalar; e o GPSUS-AVC - Software com Sistema de Atendimento pré-hospitalar para pacientes com AVC (Acidente Vascular Cerebral) para detecção e conexão à rede de saúde.

Tais ferramentas foram entregues à região de Pinheiro/MA (UFMA) e Petrolina/PE (UNIVASF) respectivamente, demonstrando a capacidade do modelo de inovação aberta em gerar soluções práticas, por meio da atuação de professores e bolsistas dessas instituições. Mais dados referentes à essa ação serão coletados após seis meses da entrega do protótipo por professores da UNIVASF, para a confecção de um artigo científico.

 A escolha dos protótipos

Foram selecionadas 22 propostas, posteriormente apresentadas para o Ministério da Saúde após as primeiras quatro oficinas do Design Thinking, na qual foi realizada a seleção dos protótipos desenvolvidos no estudo. A Ferramenta Digital de Apoio ao ACS (Agente Comunitário de Saúde) para Doenças Negligenciadas é um dos projetos selecionados, e funciona tanto de maneira online quanto offline para digitalização das tarefas de planejamento, o que permite o melhor manejo das pessoas acompanhadas pelos ACSs.

Em conjunto ao desenvolvimento da plataforma, profissionais de saúde foram capacitados sobre hanseníase e leishmaniose. “Isso permitiu que estes profissionais pudessem fazer a busca ativa dos casos e encaminhar os pacientes com suspeita à Unidade Básica de Saúde (UBS). Com foco nos gestores públicos, a ferramenta consolidará dados, terá a extração de relatórios para apoiar na melhoria de processos e tomada de decisão” destaca Edson Amaro Jr.

Os próximos protótipos foram entregues em dezembro de 2020 para os municípios de Petrolina/PE e Pinheiro/MA. As Universidades ficaram responsáveis pela manutenção dos protótipos, efetuando a transferência de tecnologia do setor privado ao público. Essa tecnologia será utilizada nas duas cidades para melhor qualificação dos profissionais de saúde e na fomentação da inovação e tecnologia entre as Universidades Federais. O coordenador do projeto destaca ainda a importância desse projeto na prática. “Essa abordagem é de suma importância para à Superintendência de Vigilância em Saúde (SVS), do Ministério da Saúde, uma vez que a análise de dados e das informações sobre a quantidade de subnotificações de doenças irá auxiliar o órgão a dimensionar o envio de medicamentos para a região e adotar políticas assertivas para o tratamento dessas doenças nas cidades onde o protótipo está em funcionamento”.

Projeto Big Data do PROADI-SUS entrega estudo que fomenta a transferência de tecnologia e inovação para o SUS
Processando